quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Coração Cauteloso

Nos braços do meu amor.
Mas onde está o desejo?
Parece que meu corpo não o reconhece.
Depois de tanto tempo, quero um tempo.
Preciso absorver a situação.
Apuro o olfato e sinto seu cheiro que ainda me agrada,
Mas não me enternece mais.
Sua pele continua com a mesma maciez.
Por que não me apetece?
Olho seu rosto, passo a mão.
É ele mesmo, o mesmo de sempre.
Aquele que eu sempre amei.
Então:
Por que este travamento, este estranhamento indesejado?
Por que este tremor como se eu fosse ser executada?
Por que me fecho ao invés de me entregar loucamente?

Porque algo foi destruído.
Porque os cacos deste algo ficaram atravessado na minha garganta,
E tenho que desobstruir esta passagem,
Pois necessito que tudo passe a ser ainda melhor que antes,
Ou não haverá depois.
Porque não me sinto mais amada.
Porque quero o seu carinho.
Quero o seu querer a meu ser,
E não apenas ao meu corpo.
Quero a sua companhia,
Sua doação sem nada em troca,
Por unicamente me querer bem.
Quero o seu sorriso,
A sua palavra sem hora marcada nem racionamento.
Não quero as horas como numa festa em buffet.
Quero passar as horas com a descontração de uma conversa,
A suavidade do carinho, ou
A explosão do tesão.
Aí sim, me entregar totalmente.
E para isso, tenho que ser reconquistada.
BeatrizNapoleão (22/02/12)