sábado, 19 de junho de 2010

Loucura Controlada

A loucura não bate em minha porta para entrar. Ela abre a porta para sair e se divertir. Pois, não vem de fora, e sim do meu interior. Faz parte da minha essência. Quando quer se manifestar ela sai e se exibe exteriormente. Creio que jamais ficarei louca, pois nunca a reprimo - às vezes tenho que tomar o controle para que ela não exagere deixando que eu perca a classe -, temos um ótimo relacionamento, sabemos o limite de cada uma, nos respeitamos, assim, ela se esforça para não ultrapassar o meu limite e, em contrapartida a deixo livre para não sufocá-la provocando a sua insanidade extrema.
Beatriz Napoleão (12/09/05)