segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Raízes ou Asas

Raízes ou asas?
O que prefiro?
Tenho mesmo que responder?
Tenho que escolher entre uma ou outra?
Não posso ficar com as duas?
Quero raízes porque necessito delas para viver.
Sou fruto de uma árvore e, sem raízes não terei de onde tirar alimento, não terei como conviver com os outros frutos que tanto amo, não terei como me manter sustentada.
Mas também, sou uma ave. Até posso viver sem minhas asas, mas, será uma crueldade esta mutilação. Sem elas, minha alegria vai junto.
Como necessito das raízes para viver, necessito das asas para ser feliz. Amo voar! Voar por muitos lugares, e em diversas alturas e velocidades.
Então, deixe que eu fique com as duas, para que possa percorrer por vários campos, viver aventuras saudáveis, sem desonrar minha árvore, e voltar para ela retomando minhas raízes.
Beatriz Napoleão 

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O Que é Estar com 45 anos?

É ter nascido em 1959 e em 2004 ainda estar neste mundo.
É perceber que o corpo está mudando, o rosto ficando com marcas, o pique diminuindo, e saber que isto faz parte.
Contraditoriamente, se sentir como uma criança, ainda gostar de brincar, pular, correr, dar boas risadas de bobagens.
Mas, após brincar voltar a ser adulta, enfrentar os problemas - mesmo que fraqueje algumas vezes, saber dar a volta por cima.
É sentir que tem muito o que aprender e o que viver, e querer aprender e viver, ainda que tenha consciência que pode morrer a qualquer instante;
Buscar novas fontes de conhecimento;
Ter bons planos para a velhice;
Ser mais tolerante com a vida e, mais intolerante a certas atitudes, como: radicalismo, preconceito, falsidade, imposição...;
Valorizar mais ainda a família e os amigos;
Agradecer a Deus por ter chegado até aqui;
Amar a vida;
Se amar!
Beatriz Napoleão (agosto/2004)

sábado, 16 de outubro de 2010

Palavras Divinas

Sim, eu tenho poder para mover montanhas, abrir passagens no mar, inundar o mundo...
  
Posso causar tsunamis, terremotos, enviar furacões... Mas não é assim que ajo! Não me agrada optar pela força do castigo.
  
Não quero alguém fazendo ou deixando de fazer algo porque posso castigá-lo, por temer o inferno. Não percam tempo pensando ou falando do inferno. Esqueçam o inferno! Se não houver divulgação dele, ele vai perdendo o status e acabará no ostracismo.
  
Canalizem suas energias, pensamentos, palavras e ações para o amor. Se o amor imperar, como o inferno vai “sobreviver”? Quero a força do Amor!
  
O que faço é: unir famílias, amigos, raças, credos, nações; curar doenças, corações sem esperança; afastar o mal da humanidade. É aí que estou. Mas não faço nem farei nada que pareça uma mágica. Não sou ilusionista. Sou o Amor, o Alimento, a Esperança, sou a Vida! Concretizo-me neles. Vocês são um pouco de mim, fazem parte de mim. Eu sou o todo. Sou a união do Universo. Ajo através da natureza e de vocês, e espero que cada um faça algo para melhorar o mundo onde vivem. Quanto mais fizerem, mais benefícios terão. Posso não castigar, mas planejei um Universo interligado, onde tudo tem um retorno. Portanto, quem ferra, será ferrado.
  
Jesus veio à Terra para dar meu exemplo, divulgar meus Mandamentos, mostrar o que o Amor é capaz. Muitos aprendem o Livro inteiro, verbalizam este exemplo, mas pouco fazem na hora de agir, se preocupando mais em fiscalizar se o próximo está agindo de acordo com estes ensinamentos, do que com seus próprios atos. Ora, ora! Dêem o exemplo! Não foi assim que Cristo fez!? Esta é a melhor maneira de ensinar.
    
Não fiquem se punindo por suas falhas. Mas, não fechem os olhos tentando não enxergar seus erros, seus deslizes. Olhem para eles para evitar repetições.
  
Quero Amor! Mas, amor com “A” maiúsculo.
  
- Amor. Amor. Amor... Era a palavra que ecoava repetidamente quando acordei.
Beatriz Napoleão (13/10/10)

domingo, 10 de outubro de 2010

Fogo de Palha

Ao te encontrar,
Senti uma chama acender.
Mas não vi no teu olhar,
Faísca alguma aparecer.

Resolvi reafirmar,
Voltando os olhos para os teus.
Eles já não viam mais
Motivo de chama aquecer.
Beatriz Napoleão