quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Coração Saudável

Em cada espirro a dor de cabeça aumenta.
O nariz congestionado, o corpo febril e sem força.
Parece que nada está funcionando bem.
Mas, o coração permanece alheio a tudo.
Enquanto me sinto desconfortável,
Com dor, sem ânimo e sem apetite,
Ele muito saudável insiste em se alimentar de amor.
Beatriz Napoleão (15/03/09)

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Solidão Criativa

Eu preciso da solidão para pensar.
É com ela que fico a imaginar.
É ela que vem me alimentar.
É nela que posso criar.
  
O melhor é a solidão sozinha,
Mas, mesmo em outras companhias,
Ainda que seja pura alegria,
Se me desligo um momento,
Ela corre e já transforma meu pensamento.
Beatriz Napoleão 

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Consequência

Favores,
Respeito,
Carinho,
Gentileza,
Entendimento,
Pra lá e pra cá!
              
  Somos isso!
Somos o que fazemos e recebemos. 

Tu és para mim o que eu gero em ti;
Teus atos revelam os meus.
E eu sou para ti o que tu geras em mim;
Meus atos revelam os teus.
  
Como se tem prazer
Quando se sabe conviver!
  
Beatriz Napoleão



sábado, 20 de agosto de 2011

Palavras Perigosas

Não fale mal de quem você gosta, numa ocasião de um desentendimento. Mesmo que seja só para desabafar com o seu melhor amigo. É perigoso! Você pode escutar e acreditar no que ouviu. Mas, ainda que, no seu íntimo saiba que são palavras vazias e passageiras, de um momento de desilusão, seu amigo acreditará em você, e terá aquele que você gosta, como um desafeto.
Beatriz Napoleão 

domingo, 14 de agosto de 2011

Quem me assumia

Quero agradecer a Deus por ter tido na minha vida uma pessoa que:
Nunca levantou a voz para mim;
Na minha primeira infância era quem eu chamava, quando acordava tarde da noite e sentia medo por estar sozinha num quarto escuro. Eu ouvia sua voz dizer: - Venha pra cá!
E quando eu lá chegava, pulava numa rede que estava a minha espera. E ali ficava, deitada, sentindo-me segura, enquanto era embalada até dormir novamente;
De manhã cedo, ia me acordar com massagem nas pernas, para que eu espertasse com disposição para ir à aula (isso perdurou até minha adolescência);
Tinha hábito de me levar no colo para o banheiro - eu sempre acordava sonolenta, mal andava -, quando eu percebia, minha escova de dente já estava com o creme dental;
Era quem preparava meu café da manhã, do jeito que eu gostava;
Procurava satisfazer meus desejos, dentro do possível;
Desde as minhas primeiras lembranças esteve sempre a me dar amor e carinho;
É uma das mais responsáveis pela felicidade que sinto até hoje.
Esta pessoa era o meu PAI.
  
E assim foi! Quando ele não estava no trabalho, minha mãe deixava que me assumisse. Talvez por ela estar cansada de tanto criar filhos, ou, talvez por saber que isso o dava muito prazer, ou quem sabe, por não ter escolha!
Por isso agradeço a Deus, e a ti também, por ter se doado tanto a mim!
E, onde você estiver, feliz Dia dos Pais, meu pai amado!
Beatriz Napoleão 13/08/11

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Surpresa de Uma Noite

Sozinha em casa tarde da noite, eu estava escovando os dentes. Muito tranquila pensando em algo que iria escrever, quando de repente, senti algo subir no meu pé. Era pesado, frio e deslizante. Foi subindo e subindo, enrolando em minha perna, sem pressa. Uuuui! Meu corpo todo estremeceu sem que eu o controlasse. Fechei os olhos para não ver o que era - como se isso revertesse a situação. O tempo deve ter parado enquanto aquilo fazia seu percurso escolhido. Pareceu durar uma eternidade. Por que me escolheu? Ou será que eu o escolhi! Eu com o corpo inerte, tentando segurar o tremor, apenas a mão direita - que segurava a escova - fazia movimentos, que, àquela altura já eram quase imperceptíveis. Terminei de escovar, abri os olhos, a respiração presa, olhei vagarosamente de esguelha para o chão do banheiro do meu quarto, num apartamento que fica no 4º andar. Ali estava...
Um chão! Limpo, sem nada, nenhum vestígio. Apenas a lembrança de um medo que trago da infância e, ainda que, raramente, persiste em me abalar.
Beatriz Napoleão (24/05/08)

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Frases sem Peso

De nada adianta você proferir ou escrever frases bonitas, significativas,
Se seus atos não condizem com elas.
  
É como usar uma roupa limpa e bonita,
Estando descalça, assanhada e seu corpo sujo.
  
É como ter uma piscina,
Sem água.
     
É como ter um terreno no campo,
Sem vegetação e animais.
  
É como ter uma casa linda,
Sem nada dentro.
Beatriz Napoleão