quinta-feira, 28 de junho de 2012

Bendita Efemeridade!

Em meu quarto, quando eu passava ao lado da cama para ir até o armário, bati meu pé com entusiasmo na maçaneta da gaveta (minha cama tem duas gavetas de cada lado, e as maçanetas têm uma pontinha "safada").
Aaaaaaai! Machuquei em cima do osso que fica logo abaixo do tornozelo.
A pancada causou uma dor tão grande que me joguei na cama. Torcia-me de um lado para o outro mordendo o travesseiro para que ninguém ouvisse meus gemidos - é uma dor que vai ao extremo, chegando ao clímax, mas, por sorte sua ação é muito rápida, o que me lembrou o gozo. Pensar isso me fez rir. Aonde chega meu humor! Sempre procurando alguma alternativa para aliviar minhas dores. Em pleno desespero da dor, ria. Torto, risos entre caretas, mas ria (impossível rir descontraidamente num momento desse).
É um gozo ao contrário, enquanto um dá prazer, a outra desespera. Ainda bem que são efêmeros, pois nos dois casos a intensidade é tamanha que eu desmaiaria se durassem mais que um minuto.
BeatrizNapoleão

Sem voltar atrás

Qualquer um que caminhe cada centímetro avante, sua estrada será radiante.
BeatrizNapoleão

quinta-feira, 14 de junho de 2012

Soltando as Correntes



Vai coração!
Diz algo!
Palpita!
Manifesta um desejo!


Vai coração!
Bombear o sangue é teu trabalho vital,
Mas, por que a greve ao sentimental?
Quanta indolência!
Haja paciência!

Vai coração!
Reage!
Age!
Procura um instrumento para o grande sentimento.

Vai coração!
Embala o sonho mesmo ausente
Para que ao tirar o papel o amor esteja presente.

Vai coração!
Um olhar, um cheiro, um toque...
Consente que a mão entrelace mão,
E a boca sinta o gosto da união.

Vai coração!
Tira a âncora das profundezas
E navega nas correntezas

Vai coração!
Abre a grade,
E permite a liberdade!

Vai coração!
Deixa de covardia,
E aceita a alegria!

Vai coração!
A vida é mais vida
Quando se morre de paixão.
BeatrizNapoleão

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Mais páginas ao dicionário

Um "eu te amo" deve ser sincero.
Um "você é linda" deve ser para quem tem essa característica ou, vir de alguém que nos ama, pois, nesse caso, essa dita beleza é do que está além dos olhos.
Um "é meu amigo" deve ser dito quando se é amigo.
Porém, hoje em dia temos o "te amo" = "gosto muito de você", o "você é linda" = "tua beleza me agrada" e o "é meu amigo" = "é meu colega"; como uma gíria.
Mas tudo está ficando tão confuso que já não sei mais quem realmente ama quem, quem realmente é lindo e quem realmente é amigo, pois as palavras parecem não ter mais seus verdadeiros significados.
Lindo é tudo que se quer elogiar com apreço. Fico até constrangida quando não uso o "lindo", pois parece que não estou gostando do que vejo.
Amigos são quaisquer pessoas que se conhecem superficialmente e já sorriram juntas em ocasiões sociais.
O sentido das palavras estão tão absurdos que até o "literalmente" não significa mais literalmente. Uma amiga muito querida ao contar-me uma história falou: "Fiz uma caminhada no Parque do Cocó com os pés literalmente dentro do mangue". Então, perguntei: - Tu entraste no mangue? Ela riu, e disse: - Você leva tudo ao pé da letra!
Como vou saber quando: literalmente é o mesmo que próximo ou quando é o que realmente significa?
Como vou saber se algo ou alguém é de fato lindo ou apenas tem uma certa beleza?
Como vou saber se duas pessoas são amigas ou elas nem sabem o que é isso?
Como vou saber se alguém ama quem diz amar ou apenas acha legal?
Acho que precisamos criar novas palavras!
Beatriz Napoleão

domingo, 10 de junho de 2012

Tem hora para tudo

Fertilidade
Hora de reproduzir

Briga
Hora de apaziguar

Sonho
Hora de realizar

Encanto
Hora de conquistar

Dúvida
Hora de refletir

Medo
Hora de superar

Prazer
Hora de aproveitar

Intriga
Hora de afastar

Beleza
Hora de admirar

Compaixão
Hora de ajudar

Inspiração
Hora de criar

Família
Hora de entender

Amigos
Hora de valorizar

Verdade
Hora de aplicar

Educação
Hora de praticar

Ilusão
Hora de crescer

Violência
Hora de aniquilar

Justiça
Hora de exercer

Felicidade
Hora de permanecer

Amor
Hora de compartilhar
Beatriz Napoleão

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Conquistando ou Repelindo


Posso fazer ou dizer muito do que eu sinto,
Na intenção de lhe conquistar, para que você me ame.
Como posso inventar o que não sou ou sinto,
Para que você deixe de me amar, e eu possa me afastar.
Dependendo de suas atitudes para comigo,
Escolho o que me for mais conveniente.
Beatriz Napoleão
(1999)