quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Livre para Amar

Imagem: Google
A ideia de ser amante de alguém não me agrada. Falo de amante no sentido de ser a outra, não a amante que ama e que é amada.
Amo a liberdade! Poder sair quando quero e para onde quero. Falar o que sinto sem constrangimento. Detesto ter que sufocar meus sentimentos. O que cultivo dentro de mim é muito lindo, não acho justo ficar escondido, guardado em mim, isso deve ser feito com sentimentos ruins, para não contaminar ninguém, os bons espalham leveza até em quem não os têm.
Ao estar caída por alguém, mesmo quando estou em público gosto do olhar apaixonado, ignorando o mundo ao redor, contudo, se em público estou os beijos devem ser suaves, que não chamem atenção. 
Gosto de abraço colado como se não fosse mais soltar. Gosto de andar de mãos dadas para não perder a sintonia. Gosto de rir de bobagens que deixam leve o coração. Gosto de antes de dormir ficar fazendo e recebendo carinho até o sono chegar, mesmo que esse carinho seja apenas ficar juntinho. Gosto de ver quem amo, todo dia, e o dia que não for possível, que fique de boa conversa ao telefone. Detesto cobranças, assim como não gosto de cobrar, entretanto, em qualquer relacionamento, é fundamental que se diga o que incomoda ou machuca, mas que seja dito em bom tom, para não desafinar a ligação afetiva.
Sendo assim, não posso me relacionar com alguém que não seja livre para amar.
BeatrizNapoleão