quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Jardineiro

Jardineiro, jardineiro!
Se afastou deste jardim.
Que devido tua ausência já criou até capim.
Porém, mesmo à distância não desistes desta flor,
Sempre vives cultivando, para que não perca a cor.

Jardineiro, jardineiro!
Por que tens que cultivar?
Para olhar esta beleza,
Ou tu queres namorar?

Jardineiro, jardineiro!
Esta flor já te esquecia.
Colorida e com perfume, a viver com alegria.
Se insistes com ardor, volta a hera do amor.

Jardineiro, jardineiro!
Por que voltas ao jardim?
Já não basta tanto mato,
Que tu deixas sempre assim?

Jardineiro, jardineiro!
Se tu queres retornar,
Limpa tudo até o fim!
Se não plantas tua muda,
Muda para outro jardim!
Beatriz Napoleão