sexta-feira, 27 de maio de 2011

Nós de Família

Às vezes penso em falar para meus irmãos o amor que sinto por cada um deles. Alguns eu tenho mais ligação - é natural, temos mais afinidade com aqueles que nos dão mais carinho, atenção e/ou são mais semelhantes a nós, principalmente quando esta semelhança é do que possuímos de positivo, do que gostamos em nós mesmos. Quando a semelhança é com o negativo entendemos o deslize do outro, pois escorregamos no mesmo ponto, mesmo tentando se manter firme. Mas também há aqueles que ainda que sejam um tanto quanto diferentes, o sentimento de bem querer transcende.
Para algumas pessoas as relações familiares são laços frouxos, tão frouxos que se você tropeçar e enganchar a perna num deles, ele é desfeito com a maior facilidade - E em alguns casos nunca mais é refeito. Para outros são laços bem apertados, mas, se você fizer um esforço indesejado eles se desfazem. Para mim, esta relação não é feita de laços, e sim de nós,  nós de marinheiro, aqueles apertados, que ninguém nem nada consegue desfazer - são tão firmes que, não carecem nenhuma vistoria.
Ah! Bendita família! 
E vieram os sobrinhos e sobrinhas, muitos dos quais fazem parte constante da minha vida. E eu adoro isto! 
Os sobrinhos-netos e sobrinhas-netas são uma curtição!
A mais nova é um xodozinho de sobrinha-bisneta!
E chegando mais! Serão bem-vindos e muito amados.
Mas, e os que são agregados, aqueles que vieram de fora, oriundos de outras famílias? Chegaram e passaram a fazer parte deste nosso grupo. Devido os irmãos ou irmãs, sobrinhos ou sobrinhas, são membros da família. E por mérito próprio, com suas particularidades, um por um foi me conquistando.
Agradeço a meus pais por este presente e, principalmente a Deus por hoje estarmos aqui.
Obrigada a cada um de vocês por fazer parte da minha vida!
Beatriz Napoleão (24/12/10)